quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Poema 197

Eu vejo seus pedaços a cada relance na cidade 
Seja seu cabelo ou suas camisas 
De tudo que sinto sei o que não é de verdade 
Pois eu decorei as suas entrelinhas 
---
Em muitas ocasiões eu me retraio e espero passar 
É uma angústia como uma coceira
Caso eu resista e evite olhar 
Posso evitar de me doer inteira 
---
Às vezes eu deixo minar o choro 
Porque a falta machuca e pulsa
Então de noite quando quero teu colo 
Eu ouço de novo a linha da chamada muda

sábado, 26 de agosto de 2017

Poema 196

Here's to everyone who walked away
The ones who've left me sink in my own tears
To the ones who I cared about everyday
Until it became hard just to watch my fears
---
I am unable to remember everything
From all of you who've been cruel
But I can still hear the moment of breaking
The one in wich I realized I was a fool
---
Sometimes I miss the feeling
But to how I've loved it never compared
I'm still alone and dealing
With how I am broken and unprepared

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Poema 195

He lives silently inside of me
I can hear his lullaby but it's not his voice
Like the falling leaves of a sleeping tree
And a few letters of nostalgia words
---
He took my heart and I can't have it back
I'm not even sure if it's broken
I hold on thoughts of a lovely past
I wish life wouldn't have stole him
---
Sometimes I imagine how our life would be
If we haven't changed paths
Does our love would still live?
Or separation was always a fact?

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Choose life

Choose life
Choose great grades and a perfect appearance
Choose ignoring the existence of your parents because they ignore yours
Choose health insurance and credit card bills
Choose trowing up your meals and starving so you can have control of something
Choose long-term relationships that never last
Choose pills, psychiatrists and psychologists just so you can live like a normal person
Choose a career and ended up loving it
Choose being someone who's always there but doesn't have anybody
Choose writing down your demons and talking about them endlessly but wake up to nightmares everyday
Choose the pain of feeling everything so deep you can't breathe when you're too happy or sad
Choose joy or sadness or get eaten by one of them
Choose life

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Poema 194

Um dia eu espero não imaginar outra pessoa no teu espaço da cama
Eu espero que a sua vida seja longa e feliz e você tenha alguém que te cuide
Eu espero que a lacuna que eu deixei amanse ao ponto de nostalgia
Eu espero que a tua alegria de viver seja maior que a implicância com o mundo
---
Um dia eu espero não deixar mais uma lágrima escapar ao pensar em você
Eu espero que você lembre de mim no primeiro dia de neve de cada inverno
Eu espero entender que não posso controlar todas as coisas, muito menos alguém
Eu espero que o nó no peito desate, no meu e no teu
---
Um dia eu espero não reviver mil momentos que te envolvam
Eu espero que o sol brilhe e que eu tenha uma família
Eu espero que a vida te sorria sempre mais e você retribua o gesto
Eu espero que essa dor passe e se torne uma memória boa

domingo, 4 de junho de 2017

Poema 193

Eu me pergunto
Se são as pessoas ou eu o buraco negro
Se eu as consumo ou elas me esgotam
Se um dia a história vai parar de se repetir
---
Porque o mundo parece me tirar a motivação
Mas eu continuo e sempre luto por alguém
E enquanto vejo outro romance desmoronar
Percebo que é mais uma noite sozinha
---
De todos os caminhos eu não sei qual seguir
Ao mesmo tempo em que há escolha, não há
Eu me perdi em algumas curvas que fiz
Mas qual me daria paz e companhia?

terça-feira, 30 de maio de 2017

Poema 192

Don't wanna write about you in the past
I can't put you in some messy shelf
It seems like we'll never last
Despite our deeply love for ourselves
---
This year I've only seen winter
In your place or mine
I wait for spring and it's sweetness
Imagining you'd sing me a lullaby
---
I'm not able to let it go
To regret or forget what we've done for each other
And at night when I come home
I cry alone wishing we'd fight harder

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Poema 191

You brought me from the deepest ocean
Then pushed my head against the water
I'm not sure of all these emotions
And how they broke me in the darkest hour
---
You showed me the winter wind
And the flowers who refuse to grow
I shouldn't even admit
But I'm as reluctant as they do
---
You've got letters love and lust
While I was drowning without help
I cannot say you're the one who I trust
But I do miss your cinnamon smell
---
I have no plans no life no smile
I hold tears within my tasks
Even though I've cried for a while
I hope you ask me to come back

terça-feira, 25 de abril de 2017

Poema 190

Eu fui furacão
Cheguei sem aviso no teu despreparo, tomando o terreno só para mim
Eu fui promessa
Tinha minha rota traçada e uma esperança vaga dentro do peito
Eu fui paixão
Fui até demais e a confusão se fez em mim de novo
Eu fui egoísta
Seduzida por uma presença me deixei levar por um carinho na ferida
Eu fui cruel
Tomada por meu imediatismo não te deixei nem espaço para justificativa
Eu fui arrependimento
Ciumenta até pelo inevitável tentei recuperar o tempo com a intensidade
---
Eu fui tormenta
Em um ano de fundo de poço e topo da montanha você resistiu
Eu fui inesperado
Em cada discussão que nos construiu e em cada surpresa que nos chegou
Eu fui amor
Além do breve eu senti tão forte no meu corpo que você poderia me entender e ajudar
Eu fui doença
Das pancadas da vida tropecei feio e me perdi entre o real e o sentimento
Eu fui má
Numa amarga vingança tive a maldita presença que faltava mas também a dor do que fazia a você
Eu fui retorno
Você me acolheu de novo e me fez ver que mesmo com erros, nós somos: juntos
---
Eu sou inconstância
Ainda hoje não sei como sobrevivo à cada dia e à cada porrada
Eu sou a dor
Que desconsiderando minha força permanece pulsando e me arrancando a paz
Eu sou sinceridade
Não há nada que eu sinta que eu não tente decifrar e expressar pois não quero que as mágoas do passado e do presente abalem nossa estrutura
Eu sou patológica
Falta uma coisa no meu cérebro além dos sentimentos que eu nunca tive e vivo buscando
Eu sou intensidade
Se há lembranças de momentos ruins, se há noites felizes a serem aproveitadas, se há qualquer sentimento, eu o vivo
Eu sou sua
Incrivelmente dentro das minhas manias e a caixa de Pandora que é minha cabeça, eu não me vejo sem você
---
Você é sensatez
Dentre um mundo de alternativas você sempre escolhe a certa e se alimenta disso
Você é insegurança
A vida adulta não é fácil e viver sozinho é angustiante, viver com uma bomba relógio como parceira só atenua as coisas
Você é real
Mais do que qualquer coisa eu sei que você existe e nós existimos e nós continuaremos a existir
Você é medo
Das coisas possíveis e impossíveis porque o mundo transforma tudo em desespero e eu o ajudo nisso
Você é sonho
Minha fuga adiada, meu refúgio distante, meu amor mais puro
Você é meu 
Continuará sendo além do tempo e dos desentendimentos, porque querer alguém também engloba querê-lo bem independente da situação

domingo, 16 de abril de 2017

The S word

Talvez esse texto seja pessoal demais e um pouco alarmante mas há pensamentos que só se acalmam dentro de mim depois que escritos.
---
Crescendo com uma família desestruturada, baixa auto-estima e depressão - itens que só consigo enxergar hoje por conta da terapia, que não eram pauta durante a minha "rebeldia adolescente" e o ingresso perdido numa via adulta -, eu não tenho memória da primeira vez em que pensei em acabar com tudo.
Confesso que quando mais jovem achava que pílulas ou cortes resolveriam os meus problemas e me utilizava de ambos escondida dentre as minhas notas perfeitas e atividades extra curriculares notáveis, variando entre a rotina da face amigável durante o dia e as noites famintas chorando sozinha; hoje, tenho uma visão mais drástica sobre o tema. Acho que depois de um tempo você percebe o quanto romantizou a sua própria morte e isso passa de uma fuga possível para a única alternativa que te deixaria em paz.
É difícil perceber-se num lugar onde, além das suas escolhas, os ambientes e pessoas te levaram. Os seus caminhos foram majoritariamente decididos por pressão, busca por perfeição e uma pequena parcela de vontade própria. O seu controle é meramente ilustrativo, não realmente praticado.
Sei que ainda tenho muitos passos a seguir, em questões de carreira, vida amorosa, tratamento psicológico. Todas as vezes antes de uma decisão - até a mínima como "devo ou não ir à psiquiatra hoje" -, eu enfrento um redemoinho de emoções dentro e fora de mim; tento ser passiva diante dos problemas mas é como se a história sempre tivesse o mesmo fim: sozinha no meu quarto, eu choro e lamento ter vivido mais um dia; independente das conquistas, sinto-me um fracasso.
Na minha visão, eu não preciso agir impulsiva ou premeditadamente para ser considerada perigosa pra mim mesma. Certamente não sou um perigo para outras pessoas, mesmo com a ideia de que estrago a vida de todos à minha volta tendo sido inserida na minha mente desde muito cedo. Ao mesmo tempo, eu não agiria indiscriminadamente tomando uma decisão que me desligasse dos meus tormentos.
Entenda: é sobre coragem. Não é sobre egoísmo, não é covardia, não é infantilidade. É a coragem da decisão que mudará sua vida pra sempre: simplesmente colocando um fim nela. Não é sobre ignorar os sentimentos alheios de quem possa ter afeto por você, é se livrar de uma vida de dores e lembranças detalhadas dos momentos que foram provas de sobrevivência. É sobre tudo, mas é sobre o nada.
O que eu quero dizer é que eu acho que não chegarei à esse ponto, mas a ideia permanece guardada como uma carta velha no armário, escondida e pros momentos de desespero. Ainda há uma ponta de esperança dentro de mim para atender à proposta que pode me aliviar dos pensamentos repetitivos e das memórias cruéis. Mas, toda noite, no caminho de volta pra casa, eu choro sozinha imaginando como seria, lembrando principalmente que não haveria ninguém para me ajudar - como sempre foi.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Poema 189

Em relação à você minha mente funciona com dois propósitos
Sobreviver para te viver e não deixar a carga te atingir
Pode não parecer mas na minha cabeça é muito lógico
Em prática porém, é difícil de conseguir
---
Eu nunca somente vivi, fui me esgueirando dentre as dificuldades
Portanto a contradição habita o que eu chamo de corpo e cérebro
Eu respirei o quanto consegui, só que complica quando dói a verdade
Além disso, é cruel atingir tanto sem nenhum mérito
---
Minha principal meta é fugir de encontro à ti
Construir o que nunca tive de modo que meus demônios se acalmem
Como sempre eu tento e continuo a resistir
Mesmo quando de noite as lembranças me engolem
---
Sobre o passado e os traumas é duro discorrer
Porque eu também fico perdida em relação à esse assunto
Entenda, por mais que eu queira, eu não consigo esquecer
De todas as situações que me colocaram nesse momento no mundo
--- 
Declaro meu amor todos os dias e tento dialogar como podemos funcionar melhor um para o outro
Às vezes leva um tempo para uma epifania tomar forma, passar pelo ódio e enfim o perdão
Agradeço sua paciência na minha falha decisão de não te infligir com meu caminho torto
Espero ter você e também mais energia para resistir à força dessa transição

sábado, 11 de março de 2017

Poema 188

I see a light 
That is not bright 
I cannot reach 
No matter why 
---
I sleep alone 
While I feel cold 
I wish to die 
And call it done 
---
I hold the tears 
Embrace the fears 
While I am lost
Wish to be free 
---
I live the pain 
That still remain 
I wonder how
To avoid the flame 
---
I have no escape
But this one faith 
I need to act
To break the chains

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Dublin

O avião decolou enquanto a frase ''maybe I've always been more comfortable in chaos' tocava no meu fone de ouvido. Por alguns segundo eu vi uma linha laranja do pôr do sol pela janela além da asa direita e todos os tons de verde que a Irlanda possui nos campos que eram cortados por algumas vias cinzas. 
De repente era tudo azul e anoitecia. Eu mal via as nuvens através das lágrimas. 
Na conexão pra São Paulo eu surtei. Antes de entrar no avião fiquei desesperada, brava e triste ao mesmo tempo. 12h me esperavam, sabendo que eu não conseguiria dormir ou comer de puro nervoso. Eu mantive o controle. 
Agora eu tenho um anel com um coração verde pra me lembrar dos 50 tons da cor do país. Pra me lembrar de uma promessa. Pra me ajudar a segurar firme quando o mundo desaba em mim. Um coração abraçado por duas mãos que significa amor, lealdade e amizade; as três virtudes que eu sempre tive dificuldade em ter na vida e encontrei em uma pessoa só, que por minha sorte, me deseja do mesmo tanto e sonha com o mesmo futuro que eu.